Aves, Dicas, Fatos e Curiosidades, Pet

Periquitos: Características e Cuidados

Essa ave representa o terceiro animal de estimação mais tido no mundo, perdendo apenas para o cachorro e o gato, o que só comprova que sua personalidade é bastante dócil e sua companhia, muito agradável.


O periquito é na verdade um papagaio de pequeno porte e tem hábitos muito parecidos com o desta outra ave. No geral é prático de cuidar e costuma ser amigável e adora a companhia de humanos – apesar de haver diferentes espécies de periquito , os quais têm personalidades variadas. O mais comum é o australiano e vários lares brasileiros já o tem por perto.
O Periquito Australiano foi descoberto em 1840 no país de origem, foi levado à Europa ainda naquela época, causando grande alegria a todos que tinham contato com a ave e que iniciaram, então, sua criação em cativeiro. Rapidamente, foi aceito como pássaro de estimação e passou a ser adotado em larga escala pelos europeus.
Conhecidos por sua beleza e inteligência, os animais são fáceis de serem adestrados e adoram brincadeiras. No entanto, necessitam de atenção e cuidados para que se sintam bem.

É permitido ter em casa?

Apesar de algumas espécies de aves dependerem da permissão do IBAMA para viver em cativeiro, o periquito australiano não pertence a essa lista, por ser propriamente doméstico, assim como canários e calopsitas .
No entanto, de acordo com a Lei 5197 , Art. 1º, “os animais de quaisquer espécies, em qualquer fase do seu desenvolvimento e que vivem naturalmente fora do cativeiro, constituindo a fauna silvestre, bem como seus ninhos, abrigos e criadouros naturais são propriedades do Estado, sendo proibida a sua utilização, perseguição, destruição, caça ou apanha”.
Ou seja, se o objetivo do criador for comercializar e, dependendo do caso, criar uma ave em cativeiro é um crime ambiental – exceto no caso do australiano especificamente. No caso de papagaios, por exemplo, é necessário um registro no IBAMA (Instituto Brasileiro de Animais e Meio Ambiente), responsável por fiscalizar todo processo de compra e doação.

Como e onde adotar um periquito

O ideal é encontrar essa ave em um criadouro já conhecido e onde o bichinho seja bem tratado ao nascer. Não se deve tirá-lo da natureza nem fazê-lo sofrer se ele já estiver acostumado ao ambiente silvestre. Muitos estabelecimentos vendem esses pequenos pássaros e contêm todos os utensílios necessários para seu bem-estar.
Antes de escolher um, analise a personalidade da espécie e se você tem tempo, espaço e dinheiro suficiente para manter um bichinho em casa. Apesar de não precisar de tanta atenção quanto um cachorro, ele também demanda cuidados e um tutor carinhoso.

Periquito: pequeno no tamanho, grande na personalidade

Lindo e falante, o periquito é muito indicado para primeiro pássaro de uma família. Uma das características mais marcantes do periquito são suas penas pontudas na cauda e suas cores vibrantes.
O Periquito Australiano é uma ave de pequeno porte, com 18 cm de envergadura média, peso médio entre 22 a 40 g, sendo distintos os pesos entre machos – mais leves, entre 22 a 34g – e fêmeas – mais pesadas, entre 24 e 40g.
Assim como outros tipos de papagaios, os periquitos possuem quatro dedos em suas patas – dois virados para frente e dois virados para trás – enquanto a maioria dos pássaros possui três virados para frente e um virado para trás.
A pequena região carnosa sobre o bico do periquito é conhecida como “carúncula” e pode te ajudar a determinar o sexo do seu pássaro; machos apresentam carúncula em tons de azul, enquanto a carúncula das fêmeas é avermelhada ou marrom.


Originalmente, possuía penas de cor verde-claras. Entretanto, desde então vem sendo observadas mutações, capazes de gerar diversas cores em sua penugem. Essa variedade permanece até os dias atuais. As cores têm, então, se diversificado de maneira constante, fazendo com que essas aves encantem públicos cada vez maiores.
Em cativeiro, são de porte maior, em comparação às criadas em liberdade. Possuem cores azul, cinza, amarelo, cinza-esverdeado, violeta e branca.
Na natureza, possuem cores esverdeadas com tons em preto da cabeça à cauda e amarela na parte superior do bico; além de manchas pretas no pescoço e caudas em tons azuis e amarelos.
Possui um bico pequeno, por ser encoberto pelas penas; mas não se engane, é bastante afiado. E suas unhas, alongadas. Podem ser treinados para emitirem sons idênticos à fala humana, como papagaios.
Os periquitos são extremamente sociáveis, eles se relacionam muito bem com humanos e outros animais, principalmente, com outros pássaros!
As aves são monogâmicas, possuem um único parceiro ao longo de suas vidas! Além disso, quando ocorre o falecimento do parceiro as aves atravessam o luto com muita tristeza!


Ao pensar em adotar um pássaro deve-se considerar uma companhia para o animal, já que os pássaros não gostam e não estão acostumados com a solidão na natureza! Uma companhia deixará o bichinho muito mais feliz!

Os três i’s dos periquitos

Junto com suas belas cores, sua personalidade ativa e sua habilidade de imitar alguns sons, periquitos também são conhecidos pelas seguintes características:

  • Inteligência
  • Independência
  • Interação

Ainda que bastante independentes, os periquitos amam atenção e interações diárias, podendo criar laços muito afetuosos com seus tutores. Muito ativos, os periquitos gostam bastante de atividades e brincadeiras que os mantém ocupados em seu habitat, por isso, brinquedos para pássaros como escadinhas, balanços, anéis e bolas são excelentes opções para deixar o seu periquito bastante feliz e livre do tédio.
O periquito também é conhecido por sua inteligência. Com treinamento apropriado e bastante socialização, eles podem aprender a cantar canções.

Afinal, quantos anos vive um periquito?

Depende da espécie, dos cuidados que o animal recebe e da forma de como o pássaro é tratado, se ele possui algum problema de saúde ou não.

  • Periquito-australiano: de 05 a 10 anos;
  • Myiopsitta monachus: de 15 a 20 anos;
  • Periquito-verde: até 15 anos.

Periquitos e socialização

Periquitos são naturalmente sociais e possuem uma necessidade nata por companhia. Ainda que você tenha desenvolvido uma relação bastante forte e afetuosa com seu periquito, não é possível passar todas as horas do dia com ele, certo?
Pensando nisso e ainda que a personalidade independente dele faça bom uso de alguns momentos sozinho, considere presenteá-lo com outro periquito para fazer companhia. É recomendado que, a não ser que você queira se tornar um criador de periquitos, escolha pares do mesmo sexo.
Periquitos que vivem em par precisam de gaiolas maiores para se sentirem confortáveis, podem não criar laços muito fortes com seus tutores humanos e não se sentirem confortáveis em deixarem suas gaiolas para brincar, por isso esteja sempre atento às respostas do seu pássaro e não o force a comportamentos que não são agradáveis a ele.

Reprodução de Periquito

A reprodução do Periquito Australiano ocorre entre junho e setembro – sendo também, eventualmente, no mês de janeiro.
Casais costumam se tratar de forma afetuosa, demonstrando isso com gestos, como o macho fornecendo alimentos às fêmeas.
Necessitam de ninhos para se reproduzir e chocarem seus ovos, sendo colocados, a cada vez, entre quatro a seis ovos, levando de 18 a 21 dias para o nascimento de suas crias – sempre ressaltando que põem ovos em dias intercalados.

Preparação da casa

Esse animal deve viver em um ambiente tranquilo, sem muito barulho, já que precisa descansar bem durante a noite. Tem hábitos diurnos e durante o dia aproveita para buscar alimentos para seus filhotes, no caso de viver na natureza.
Gaiola: a gaiola deve ser de preferência feita de arame e pequena para não se sentirem isolados. Deve conter poleiros proporcionais aos pés da ave, a fim de poder se movimentar, e vasilhas de água e comida. O ideal é haver uma grade separatória no fundo para o bicho não ter contato com as próprias fezes.
A gaiola deve ser pequena, conter poleiros e vasilhas com água e comida.
Porém, a estrutura do viveiro vai depender da personalidade da ave. Se for mais arisca deve ser totalmente fechada, para evitar fugas. Se for manso, pode ter aberturas nas laterais e na parte de cima, assim ele terá mais liberdade e poderá sair da gaiola em alguns momentos do dia para se exercitar.

     
     

A alimentação do periquito é muito importante

A alimentação é muito importante para os pequeninos! As aves são animais sensíveis e necessitam de muitos nutrientes. O periquito é um animal herbívoro, ou seja, não consome carne e se alimenta, apenas, de vegetais.
A alimentação do periquito deve ser realizada com base em uma dieta balanceada, confeccionada com grãos, sementes, frutas e vegetais frescos.
 Evite alimentar o animal com alimentos industrializados, como salgadinhos, bebidas e outros itens.

Frutas e verduras para pássaros
Elas são ótimas, mas devem ser fornecidas com muito cuidado! Elas possuem fibras, mas contém agrotóxicos. Se preferir, opte por vegetais orgânicos. Entre as frutas mais indicadas estão a maçã, banana, manga, mamão, pêssego e pera. 

Sementes para aves
Os animais de grande porte adoram! Possuem alta quantidade de gordura e baixa quantidade de cálcio, elas devem ser parte de uma dieta balanceada! É preciso incluí-las juntamente com a ração, frutas e verduras.

Rações Extrusadas – Granuladas (mix)
Alimentos processados que contêm sementes, elas oferecem nutrientes e rápida absorção, mas as aves precisam de adaptação no processo de consumo.

Rações Peletizadas
A ração peletizada é um alimento prensado em temperatura mais baixa que a extrusada, sua aceitação é boa, mas o valor nutricional é baixo.

Para oferecer uma alimentação saudável ao pássaro é importante consultar um médico veterinário, somente ele conseguirá identificar as necessidades do animal!
O abacate é considerado um veneno para pássaros, já que solta o intestino e causa diarreia em alguns casos.
Apesar de a dieta de aves à base de semente de girassol ser comum, elas podem intoxicar o bicho e causar sérios problemas de saúde a longo prazo.
Qualquer tipo de carne também está proibida, além de tomate, alface e alimentos cozidos.

Principais cuidados

Normalmente esses bichinhos fazem uma certa bagunça em sua gaiola. Por isso, ela deve ser limpa diariamente, para retirar restos de alimentos e fezes, e o fundo lavado em dias intercalados. É interessante uma vez por mês tirar o pássaro da gaiola e desinfetá-la por inteiro.
A ave não precisa exatamente de banhos, mas é interessante deixar uma pequena banheira de água no viveiro para ela se molhar quando quiser. Até porque, essa é uma forte característica nos pássaros.
A água da vasilha e a da banheira precisam ser trocadas todos os dias para evitar o acúmulo de bactérias e o desenvolvimento de doenças. Além disso, sempre que ele terminar de beber, encha novamente o pote para não deixá-lo desidratado.
Para apresentar boa saúde, as penas do pássaro devem estar brilhantes, narinas secas, sem qualquer secreção, estar sempre alerta e sociável. Sonolência excessiva, penas quebradiças e caindo muito, chiado na respiração e bicos, unhas e pés com escamação podem indicar problemas de saúde .

Em todo o caso, o cultivo de pássaros em casa precisa da autorização do IBAMA! Existem aves domésticas, que podem ser criadas em residências e aves silvestres, que não é permitida a criação doméstica. É possível conversar com a Linha Verde do IBAMA, em 0800-618080, onde informam a idoneidade do pet shop, aves legalizadas e outras informações.

 

Fontes: Petz, Canal do Pet, Portal dos Pássaros e Tudo de Bicho

 

 

Postagens Relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.