Bicho, Dicas, Peixes, Pet

Cuidados com os peixes: A importância da manutenção do aquário

Ter um aquário em casa não é sinônimo de trabalho adicional, pois a sua limpeza é muito fácil de ser realizada e não ocupa muito tempo. Além disso, é extremamente recompensador e relaxante observar os movimentos dos peixes. Saiba como manter um aquário sempre limpo e aprenda a cuidar dos seus peixes e das suas plantas.

O que você precisa para limpar o aquário

  • Raspador / esponja de algas
  • Lâmina de barbear (lâmina de plástico para tanques de acrílico)
  • Alvejante
  • Sifão de água
  • Balde (use um balde novo somente para usar com aquários)
  • Removedor de cal / limpador de vidro (feito para aquários)
  • Mídia de filtro
  • Escova de filtro
  • Toalhas de banho velhas
  • Toalhas de papel

Limpe o seu aquário na seguinte ordem:

  • Vidro interior
  • Decorações (pedras, plantas, etc.)
  • Cascalho \ Substrato
  • Vidro e acessórios externos
  • Filtro

Tipos de limpeza

Para que o seu aquário esteja sempre em ótimas condições de utilização, existem 2 tipos de limpeza que podem ser adotados:

1. Limpeza anual

A limpeza anual é a que mais trabalho dá, mas também é a que mais compensa. É como que se estivesse a montar o seu aquário pela primeira vez. Para a fazer corretamente, deverá retirar tudo o que se encontra no interior do aquário, tendo o cuidado de reservar 80% da água para o bem-estar e para a sobrevivência dos peixes. Esta é uma regra de ouro na limpeza de um aquário: nunca trocar a água por completo.
É fundamental que realize os trabalhos de limpeza seguintes:

  • Lavar as pedras que se encontram fundo do aquário e os vidros interiores com um pouco de detergente. No final, tenha o cuidado de passar tudo por água limpa para que fiquem vestígios de espuma;
  • Juntar um condicionador para as plantas aquáticas, dado que elas também precisam de ser alimentadas;
  • Limpar o filtro biológico com a água do próprio aquário para não matar as bactérias que ajudam à limpeza do mesmo. O carvão do filtro mecânico deve ser totalmente substituído para que o meio aquático seja equilibrado;
  • Inserir água com apenas dois dias de repouso. Assim a água perderá grande parte do seu cloro, o que não constituirá qualquer ameaça para os peixes. Verifique sempre o pH da água e a temperatura (se tiver peixes tropicais) antes de colocar o seu aquário em funcionamento;
  • Verificar o estado da lâmpada de iluminação, uma vez que ela precisa de ser trocada todos os anos. Ao longo do tempo, as lâmpadas vão perdendo as suas propriedades e, como tal, convém fazer a troca de uma maneira suave, para as plantas e os animais se irem habituando de forma gradual.

2. Limpeza bimestral

A limpeza bimestral está diretamente relacionada com a lavagem moderada dos filtros e com a respetiva troca do carvão. Dessa forma, o aquário manterá sempre o seu equilíbrio natural e os peixes e as plantas sentir-se-ão confortáveis no seu habitat natural.
A poda das plantas também deverá ser bimestral, já que umas espécies crescem mais que outras e tapam a luz das restantes. Trata-se, sem dúvida, de um procedimento de segurança que repõe o balanço e o equilíbrio deste ecossistema.
Todos os iniciantes devem procurar o auxílio de pessoas mais experientes para que não sejam cometidos os erros mais comuns da aquariofilia e para que o bem-estar dos peixes e das suas plantas não fique comprometido.
Muitos aquários, independentemente do seu tamanho, têm peixes limpa vidros e limpa fundos para uma melhor limpeza do interior. No entanto, a sua utilização deve ser bem estudada, pois existem peixes que são incompatíveis e todo o ecossistema deve estar equilibrado. Assim, para que o bem-estar do seu aquário não fique comprometido, deve atentar aos pontos seguintes:

  • Limpar os vidros por dentro. Se a sujidade estiver colada ao vidro, poderá usar um estilete para a remover. Também pode usar os limpadores como ímã, apesar deste poderem riscar os vidros;
  • Adquirir um sifão. Além de ter um preço acessível. Sua utilização evita a sobrecarga dos filtros. A colocação do sifão no fundo do aquário permite a “aspiração” das impurezas e dos dejetos dos animais. Por outro lado, fica resolvido o processo de troca parcial da água.

Depois de usar o sifão, deverá repor a água que ficou em falta, sem nunca esquecer de verificar se os níveis de pH e de cloro são os mais adequados.

  • Extrair as folhas mortas que se encontram à superfície. Este tipo de matéria morta entra imediatamente em decomposição e sobrecarrega o habitat natural dos peixes e das plantas. Para que isso não aconteça, devem ser retiradas sempre que detectadas.
  • Colocar lâmpadas até 0,5 kW por cada litro de água e ligá-las durante um período de 12 horas por dia. Nas lojas de aquariofilia encontrará ajuda na escolha das lâmpadas mais indicadas para o seu aquário.
  • Usar filtros externos. Não deverá optar pelo uso das placas no fundo (FBF), pois sempre que quiser limpar, terá de retirar tudo o que se encontra no interior do aquário.

Troca de água – Como realizar de forma correta?

Todo mundo que tem um aquário já ouviu sobre a necessidade de trocar água do aquário. O motivo das trocas não é exatamente limpar a água, mas sim purificá-la de substâncias acumuladas em excesso, e repor alguns elementos que vão sendo deletados ao longo da vida do aquário. O principal produto acumulado no aquário é o nitrato, uma proteína que se forma basicamente pelos processos de decomposição no aquário, tanto da amônia da urina dos peixes, quanto de restos de alimentos.
O nitrato em baixas concentrações não faz mal aos peixes, mas em alta concentração torna os peixes cada vez mais suscetíveis a doenças e prejudica muito as plantas, causando amarelamento das folhas, normalmente de baixo para cima, e sua morte.

Qual a quantidade ideal de água a ser trocada?

Trocar toda a água, no tradicional processo de desmontar o aquário e lavar tudo certamente não é o melhor. Dessa forma a concentração de nitrato cai para zero, mas concomitantemente se destrói toda a biologia que havia se desenvolvido no aquário, dificultando em muito a sobrevivência dos peixes e causando sempre baixas entre os mesmos.
A troca parcial ou tpa é uma parte muito importante e necessária que devemos ter alguns cuidados para efetuar. A tpa serve para retirarmos excesso de sujeira que se acumule no fundo, elementos químicos da água  e renovar a água do aquário ou lago.
A maioria dos aquários de água doce é necessário que seja feita a sifonagem periódica o ideal é semanalmente porem não é uma regra tudo depende de quanta sujeira está acumulada no cascalho e a qualidade da água.
Não se deve retirar tudo para limpar apenas usar o sifão para retirar a água.
A quantidade de água que deverá ser retirada depende da frequência que você faz a tpa se for semanalmente 10% a 15% será o suficiente se for de 15 em 15 dias pode trocar 20% a 30% evite fazer troca parcial maior que 45% da água isso pode estragar a biologia e causar danos aos peixes. Essa água pode ser usada para regar as plantas, ecologicamente e financeiramente dizendo você diminui o desperdício de água porque você terá que regar suas plantas e essa água é muito rica em nutrientes bons para as plantas posso dizer que é uma água adubada.
Muitos autores falam em igualar a temperatura , o PH  entre outros parâmetros da água antes de por a água. O que você deve entender é que essa água não tem o mesmo valor biológico que a água onde estão os peixes e isso pode causar um choque térmico muito grande nos peixes por tanto quanto mais vagarosamente você colocar a água nova melhor e onde você coloca é importante também.
As trocas totais de água (TTA) podem levar a sérios problemas. Ao longo do tempo, os resíduos dos peixes, restos de comida, folhas mortas das plantas, etc.., alteram a química da água. Como os peixes estão vivendo nessas condições, eles se ajustam a ela bem lentamente.
Quando ocorre uma Troca Total de Água (TTA), causa uma mudança drástica na composição química da água, e devido a essa mudança, os peixes não toleram e morrem.

Nunca troquei a água no aquário. Devo começar? E como proceder?

Se você chegou até aqui e descobriu que não fez TPAs no seu aquário durante meses, ou possivelmente anos, não será sábio tomar a atitude de simplesmente realizar uma troca repentina e massiva da água do aquário.
No entanto, você deve começar a realizar essas trocas aos poucos. Comece trocando menos de 5% do volume total do aquário.
Aguarde uma semana e faça outra pequena troca de água. Continue esse processo por vários meses, cada vez aumentando a porcentagem de água trocada, chegando a no máximo 20% e 30% do total da água, quando já estiver craque nesse processo.
Isso sujeitará seus peixes a uma mudança lenta na química da água, à qual eles podem se adaptar sem causar danos à saúde.

Lembre-se sempre, esse é um tempo bem gasto, pois a água limpa é a chave para manter seus peixes saudáveis e aumentar suas expectativas de vida.

 

Fontes: Aquário Ornamental, Aquário Virtual, Produtos para Aquário, Aquarista Junior e My Aquarium

 

Postagens Relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.